21 de jan de 2010

D.O.A.: sempre vivos


Subhumans e DOA são crias do mesmo útero, gêmeos separados no nascimento. Em 1978, após o fim do Skulls e da experiência "Wimpy and The Bloated Cows" em Toronto, Joey "Shithead" Keithley retornou a Vancouver e não demorou saiu a procura de comparsas para montar uma nova banda. Inicialmente convidou um certo Randy Archibald, que tocava com um grupo chamado Looney Tunes, para a bateria, mas como ele não era lá essas coisas, foi atrás de outro e acabou chamando Chuck, irmão caçula de Ken "Dimwit" (do Subhumans, e ex-Skulls). Depois, sugeriu a Randy que aprendesse a tocar baixo. Logo o trio estava ensaiando uma média de quatro horas por dia. Num desses ensaios, que era realizado em uma espécie de estúdio de segunda mão onde vários grupos tocavam, apareceu um cara com toda a pinta de punk e, depois de vê-los tirar umas músicas disse: "Caras, vocês são bons. Meu nome é Harry Homo. Vocês serão a banda, eu serei o vocalista, vamos ganhar um milhão de dólares e vamos ser o D.O.A." Assim, na maior folga. E deu certo! Os caras toparam.


Primeira fase
A estreia do D.O.A. foi no dia 20 de fevereiro de 78, em um local chamado Japanese Hall, ao lado de várias bandas, punks e new wave, como era comum naqueles tempos. Depois da estreia ficou claro que Harry era um ótimo frontman, mas não tinha qualquer dom musical, cantava totalmente fora do tempo. Foi descartado e Joey assumiu a função de guitarrista e vocalista. Assim, como um trio e pouco mais de um mês depois começaram a tocar regularmente em outros locais, inclusive no Smilin' Buddha, uma espécie de CBGB's ou 100 Club de Vancouver. Em pouco tempo Joey e seus amigos fizeram uma série de apresentações que se tornaram lendárias.
A essa altura, com vários sons compostos por Joey e Chuck, já pensavam em gravar algo. Claro que nem procuraram gravadora. Juntaram tudo o que podiam e produziram sozinhos seu primeiro compacto. DIY total. Para isso, agendaram nove horas (tudo o que poderiam pagar) no Ocean Studios. A sessão foi realizada com uma bateria alugada e, como eles possuíam apenas os instrumentos, amplificadores que os donos do estúdio garantiram que providenciariam. Só não avisaram que eram Ampegs da década de 50, bem ruinzinhos. Some-se a isso uma inexperiência completa em gravações. O resultado foram quatro faixas incrivelmente punks, que se constituíram em Disco Sucks, um dos melhores compactos (não)produzidos no Canadá até hoje. Além da faixa-título, o artefato tinha Nazi Training Camp, Royal Police e Woke Up Screaming e foi lançado com uma prensagem de 500 cópias. Este disco também marcou a fundação do selo Sudden Death Records, de propriedade deles mesmos.


A pequena bolacha abriu as portas para a banda. Eles mandaram cópias para alguns fanzines e estações de rádio independentes dos EUA. A seguir, convenceram o pessoal do lendário Mabuhay Garden, clube de San Francisco, a agendar alguns shows. Em agosto de 78 se apresentaram pela primeira vez em solo estrangeiro. Acabaram passando um tempo a mais por lá e iniciaram uma grande amizade com Jello Biafra (Dead Kennedys).
De volta a Vancouver, gravaram o segundo compacto (o excelente The Prisoner/13), desta vez, pelo selo Quintessence Records, que também reprensou Disco Sucks. Pouco depois, já em 79, entraram pela terceira vez em estúdio para gravar duas faixas (I Hate You e Kill, Kill, This Is Pop) para a coletânea Vancouver Complication, um álbum essencial para quem quer conhecer as origens do punk canadense.
Na sequência, fizeram uma turnê pelos EUA, cheia de contratempos e da qual retornaram sem um centavo. Mas fizeram uma certa fama e ganharam experiência o bastante para descobrir que precisavam de alguém para gerenciá-los, o que os levou a Ken Lester um ativista político, cheio de ideias irreverentes. A banda e o empresário iniciaram uma parceria bastante produtiva e duradoura. Nessa época, lançaram o terceiro compacto, com as excelentes World War 3 e Whatcha Gonna Do?, que saiu inicialmente pelo selo deles e depois pela Quintessence, daí haver duas capas diferentes do mesmo disco.


Um breve fim e o primeiro LP
Depois de finalizarem uma turnê pelo Canadá e algumas cidades dos EUA (durante a qual fizeram um retorno rápido a Vancouver para abrir um show do Clash), aconteceu um dos mais bizarros episódios dessa primeira fase da banda. No retorno da turnê, agendaram um show na UBC (University of British Columbia) que teria a segurança por conta de estudantes de engenharia. Péssima ideia dos organizadores. Punks e engenheiros são coisas que não combinam e, claro, terminou tudo em (mais uma) grande briga. Como vinham de uma maratona de seguidas confusões, acabaram discutindo sério e decidiram dar um fim à banda.
Mas Joey não desistiu, principalmente porque haviam começado a gravar o primeiro LP, e, mesmo bastante chateado, procurou outros comparsas e remontou o D.O.A. em poucos dias. Com Dave Greg como segundo guitarrista, Simon "Stubby Pecker" Wilde no baixo e Andy Graffiti na batera, o grupo deu sequência às gravações e poucos meses depois fizeram uma apresentação que não foi lá das melhores. Só que, quem estava na plateia? Randy e Chuck! Depois do show eles conversaram com Joey e resolveram que o D.O.A. original deveria voltar. Azar dos novos integrantes, que da noite para o dia tornaram-se ex! Com Joey, Chuck e Randy o D.O.A. voltou ao estúdio e regravou tudo o que havia sido feito. Foi assim que surgiu Something Better Change, o primeiro LP do grupo, uma pérola do punk rock. Passado algum tempo, Ken Lester insistiu para que Dave Greg se tornasse o segundo guitarrista, algo que considerava essencial para o som da banda. Com isso o D.O.A. tornou-se um quarteto e iniciou uma nova fase, tão produtiva quanto a anterior.


Hardcore
No final de 1980, o D.O.A. começou a gravar seu segundo LP, que receberia o título de Hardcore 81, inspirado por um artigo publicado em uma revista de San Francisco sobre a cena punk da Costa Oeste dos EUA. O texto falava sobre bandas como Dead Kennedys, Avengers, Black Flag e Circle Jerks e incluiu o D.O.A., mesmo eles sendo canadenses. O título do artigo era "Hardcore". Erroneamente, tem gente que pensa ser este segundo LP do D.O.A. que batizou o gênero. Nada a ver.
Apesar disso, o LP foi realmente um dos pioneiros no estilo de punk rock mais rápido e conteúdo político das letras. O momento também era especial. Um novo punk rock explodia no mundo todo, mais espontâneo, mais esclarecido politicamente, mais rebelde no sentido de contestar os governantes, de desafiar o poder estabelecido. E tudo de forma independente, sem o dedo da grande mídia, através de fanzines e pequenos selos, muitos pertencentes às próprias bandas. Anarquismo deixava de ser apenas um termo e passava a ser um ideal. O HC tem o mérito de não ter necessitado de nenhum Malcom McLaren para se impor. E o D.O.A. captou aquele momento em um disco de 14 faixas. Até mesmo Communication Breakdown, do "Dead" Zeppelin, soa agressiva e contestadora na versão de Joey e cia. Pode não ter sido o primeiro, mas é ate hoje um dos melhores discos de hardcore de todos os tempos.
Em abril, antes mesmo de o disco ser lançado, eles organizaram a primeira versão da Hardcore 81 Tour, que durou até o mês de junho e durante a qual aconteceram várias brigas entre os integrantes da banda e do staff. Apesar disso, a vida continuava. O LP saiu, foi bem aceito e a turnê sem fim continuava. Ainda em 81, no mês de outubro, fizeram o primeiro show em Londres, junto com o Dead Kennedys. Um pouco antes de viajarem lançaram um EP, com o nome Positively DOA, pela Alternative Tentacles, que organizou a apresentação. O disco foi gravado às pressas e apresenta novas versões para Disco Sucks, que se tornou New Wave Sucks, e Fucked Up Baby que virou Fucked Up Ronnie. Completam a bolacha outras três faixas que já estavam no LP.
No retorno de Londres, Randy Rampage já não estava mais satisfeito com a banda e começou a demonstrar total desinteresse, além de aparecer sempre chapado demais para os ensaios e shows. Na noite de ano novo, ele fez a última apresentação como baixista do D.O.A.



75% Skulls
A vaga de Randy foi preenchida por Dimwit, que deixara o Subhumans e trocou a batera pelo baixo. Com isso, os três irmão Montgomery estavam envolvidos com o DOA. Chuck na batera, Ken no baixo e Bob como road. Mas não durou muito. Durante as gravações do que seria o terceiro LP, em que resolveram trabalhar novos elementos e ritmos como o reggae. Dimwit e Chuck discutiram feio. Foi a gota d'água para o baterista, que ja não estava contente com a banda há algum tempo.
Naturalmente, Dimwit assumiu as baquetas e ficaram de novo sem um baixista. A notícia de que o Subhumans estava por um fio os animou a procurar o velho amigo Brian "Wimpy" Goble, que aceitou o convite. Com isso, o D.O.A. passava a ter quase a mesma formação do The Skulls. Apenas Dave Greg não estava com os demais integrantes no pioneiro grupo de 77. A nova formação manteve a sequência interminável de shows e gravou War on 45, o terceiro LP, que saiu pela Alternative Tentacles e teve uma produção mais aprimorada. O disco mostra um D.O.A. mais maduro, porém, menos agressivo, mas é punk de primeira qualidade, com certeza.
Em 1983, com a prisão de Gerry Useless (a história está no post anterior), o D.O.A. deu início a uma de suas tradições: fazer discos beneficentes, sempre em prol de causas políticas. A renda do single The Right To Be Wild foi destinada às despesas judiciais para defender Gerry das acusações de terrorismo. Além disso, eles organizaram vários shows para arrecadar uma grana extra (advogados são caros aqui, no Canadá, mais ainda!).
Pouco depois do lançamento deste ep, Dimwit trocou o D.O.A. pelo Pointed Sticks. No lugar dele, entrou Greg "Ned Peckerwood" James, x-Verbal Abuse. Na mesma época, Ken Lester arranjou umas horas no Fantasy Studios, em Berkeley (EUA) para remixar as melhores faixas dos dois primeiros LPs. O resultado é Bloodied but Unbowed, que realmente tem uma qualidade bem superior em relação aos originais e, ao contrário do que muita gente pensa, não é uma coletânea dos primeiros compactos, mas sim os melhores momentos dos dois primeiros LPs.

Festa e distanciamento
1984 começou bem para o D.O.A. com a primeira turnê europeia do grupo, durante a qual gravaram uma Peel Session, que resultou no compacto Don't Turn Yer Back, com quatro faixas. De volta para casa, alguns meses depois, Peckerwood foi convidado a sair pois não estava agradando. Para seu lugar, Dimwit voltou e, de novo, o D.O.A. tinha três ex-Skulls na formação. O passo seguinte, em meio a muitos shows, claro, foi entrar em estúdio mais uma vez. Para produzir o quarto LP escolheram (ou foram escolhidos) o produtor Brian "Too Loud" McLeod, ex-guitarrista de uma banda de hard rock chamada The Headpins. O resultado foi um distanciamento das raízes punks da banda e uma aproximação com o heavy metal e o hard rock, algo muito comum entre as bandas punks daquele período. Joey considera esse o disco mais rock'n'roll do D.O.A., com toda razão.
A turnê de promoção deste LP foi a mais longa de toda a história da banda, por isso, eles mesmo se referiam a ela como a "Endless Tour". Foram oito meses na estrada, com 132 shows em 105 cidades diferentes de 13 países. Óbvio que tanto tempo na estrada rendeu boas histórias, mas algum estresse também. Dimwit acabou sendo a bola da vez e de novo o D.O.A. estava sem batera. Para seu lugar, Jon Card, ex-personality Crisis e SNFU foi o escolhido. Na sequência, gravam o quinto LP, True (North) Strong and Free, desta vez com o produtor Cecil English, que iria trabalhar com eles em outros seis discos. A essa altura, o D.O.A. já era um grupo extremamente profissional. Em relação ao punk, conservaram a postura política, a independência total e absoluta, mas o som agora era rock. Dos bons e de muita atitude, mas não punk rock.

Mais um breve fim
As mudanças na formação passaram a ser mais constantes. A saída do produtor Ken Lester foi a deixa para Dave Greg também abandonar o barco. Em seu lugar entrou Cris "Humper" Prohom, ex- Day Glo Abortions. Antes de lançarem um novo álbum com essa formação, saiu um disco ao vivo, chamado Talk-Action=0, que se tornaria uma espécie de lema para o grupo nos anos 90. O sexto disco (já na era do CD), Murder, mostra um D.O.A. bem mais politizado e engajado em termos de letras, porém, bem menos criativo e enérgico em relação ao som. Depois de mais um tour pela Europa e shows pela América do Norte, em 1990 chegava ao fim a primeira fase do D.O.A., certamente uma banda que ajudou a fazer do punk algo mais que uma explosão acontecida nos agora longínquos anos de 76/77.
Dois anos depois de "acabar", Joey Shithead e Brian "Wimpy" Goble ressuscitaram a banda, que desde então jamais parou, apesar de ter mudado de formação diversas vezes, e lançou mais sete álbuns de estúdio e uma porrada de singles. Sem dúvida, o D.O.A. é hoje uma instituição do punk rock, embora tenham incorporado (talvez, exageradamente) elementos de reggae, heavy metal, hard rock, etc, em seu som.
Em tempo: D.O.A. significa Dead On Arrival, um termo que os médicos usam para aquelas pessoas que dão entrada no hospital já em óbito.


Baixe aqui o clássico Something Better Change


Aqui, o melhor disco do DOA: Hardcore 81


E aqui, uma coletânea com singles de todas as fases, de 1978 a 1999

DOA Facts
  • O primeiro batera do D.O.A., Chuck Biscuits, tornou-se uma lenda do rock'n'roll. Depois de deixar a banda, ele tocou com o Black Flag, Danzig e Run DMC, entre outros. No ano passado, rolou um boato na internet (hoax) de que ele teria morrido de um câncer na garganta. Mas o cara tá vivinho da silva.
  • Joey Shithead já lançou dois CDs solo: Beat Trash (99) e Rock Steady (2006). Neles vai do reggae ao punk e inclui várias faixas apenas faladas, em que conta histórias engraçadas de suas múltiplas viagens pelo mundo.
  • Quando Ken Lester começou a empresariar o grupo, o primeiro show que ele agenciou foi um evento chamado Rock Against Radiation, que como o nome sugere era uma manifestação contra a proliferação de usinas nucleares. Tocaram D.O.A., Subhumans, K-Tels, Pointed Sticks e Reconstruction. Cerca de três mil pessoas participaram da manifestação, que teria sido precursora desse tipo de manifestação no Canadá. No ano seguinte, com organização de entidades oficiais e da Igreja foi organizada uma passeata com mais 50 mil pessoas chamada No Nuke.
  • Após abrirem um show do X, em 1980, os caras do D.O.A. cruzaram com ninguém menos que David Lee Roth, vocalista do Van Halen. O roadie do D.OA. (Bob Montgomery) pediu que ele desse um de seus gritinhos característicos. Como o popstar se recusasse, Bob simplesmente o pegou pela garganta, exigiu que gritasse e só soltou depois que ouviu o cara tentar gritar. Já nos aos 80, o grupo canadense abriu um show de Davd Lee Roth...
  • Em 1989, Joey Shithead (Jello Biafra também) atuou no filme Terminal City Ricochet. Na trilha sonora da película entrou uma versão do D.O.A. para Behind the Smiles, do Subhumans, e uma parceria do grupo com Biafra, que deu tão certo que eles acabaram gravando um LP inteiro, chamado Last Screams of The Missing Neighbors.
  • A Sudden Death Records, fundada por eles para lançar o primeiro compacto, está em atividade e abriga diversas bandas.
  • A maioria das informações aqui contidas foram tiradas do livro I, Shithead, a Life in Punk escrito pelo próprio Joey. Na obra, há muitas (muitas mesmo) histórias engraçadas. Quem puder adquirir não hesite, mas é possível ler o livro on line: clique aqui.

O D.O.A. atual, com Rampage, Shithead e Floor Tom Jones

8 de jan de 2010

Subhumanos, superpolitizados


You and me, girl, we’ll fight it out against the world
If she believes that, she’ll believe everything she’s told

I’ll never leave you, not till the mountains turn to dust

If he believes that, he’s got a little too much trust

She’s nothing to him
He’s nothing to her

And both of them are less than that to me

They’ve both been had

A lie behind the smile

Perjuring to cultivate a dream

Businessmen and workers help each other make their way

If you believe that, just look around and count your pay

The government will help you, protect the old and feed the poor

You might believe that, till the police are at your door


You’re nothing to them

They’re nothing to you
And both of you are less than that to me

The skull and the badge

Are the lie behind the smile

Used against the powerless and weak


I’m a hero, I’m the spokesman for the crowd

My only claim to fame is a machine that makes me loud

Where am I leading you, why can’t you get there on your own

If you believe in me, someday I’ll leave you all alone


I’m nothing to you

You’re nothing to me
And less than nothing’s what I want to be
Confusion and noise

I’m sick behind my smile

Sick of every face that I see

I’m sick of every face that I see

I’m sick of every face that I see


(Tradução livre)
Garota, eu e você vamos lutar contra o mundo
Se ela acreditar nisso, ela acreditará em tudo o que lhe disserem
Eu nunca vou te abandonar, não até que as montanhas desapareçam
Se ele acreditar nisso, mostra que tem um pouco de confiança demais

Ela é nada para ele
Ele é nada para ela
E ambos são menos que isso pra mim
Ambos tinham
Uma mentira por trás do sorriso
Jurando cultivar um sonho

Homens de negócio e trabalhadores se ajudam para construir seus caminhos
Se você acredita nisso, olhe à sua volta e faça as contas do que eles pagam
O governo vai ajudá-lo, vai proteger os velhos e salvar os pobres
Você tem de acreditar nisso, até que a polícia bata em sua porta

Você é nada para eles
Eles são nada para você
E ambos são menos que isso pra mim
A caveira e o emblema
São uma mentira por trás do sorriso
Usados contra os fracos e sem poder

Eu sou um herói, eu sou o líder da multidão
Para chegar a fama só preciso de uma máquina que me faça soar alto
Para onde eu levo vocês? Por que vocês não vão por conta própria?
Se vocês acreditarem em mim, um dia os deixarei sozinhos

Eu sou nada pra vocês
Vocês são nada pra mim
E menos do que nada é o que quero ser
Barulho e confusão
Sinto nojo por trás de meu sorriso
Nojo de todos as caras que vejo
Eu estou com nojo de todas as caras que vejo
Eu estou com nojo de todas as caras que vejo

A letra acima é da música Behind My Smile do Subhumans canadense. Não a coloquei só porque é muito legal, mas também porque foi a primeira música deles que ouvi, lá por 81 ou 82, quando comprei uma coletânea chamada Vancouver Independence. Chapei com o som e a letra. Depois fui atrás de outras coisas deles e também adquiri o LP chamado Incorrect Thoughts, que confesso não achei lá essas coisas na época. Mas hoje reconheço como um clássico, basta ouvir faixas como War In The Head e We're Alive. Aliás, tudo o que eles gravaram é de extrema qualidade. Para completar, os membros do grupo - tal qual o homônimo inglês (carma?) - eram (e são) todos militantes políticos, o que fez do Subhumans uma das principais bandas punks canadenses, ao lado do D.O.A.

Primórdios
Subhumans e DOA têm muito mais em comum do que serem ambos canadenses. Gerry Hannah, baixista do Subhumans, e Joey Shithead, fundador do DOA, são amigos de infância e se iniciaram juntos no mundo da música e da política. Nos anos 70, eles e outros amigos moraram em comunidades no campo, como faziam muitos hipies. A diferença é que não eram da turma da paz e do amor e causavam problemas com a vizinhança. Mas o essencial desta época é que formaram suas primeiras bandas. Nenhuma vingou, mas as experiências mostraram que o que eles queriam mesmo era fazer um som.
O primeiro show que conseguiram foi em 1975, como The Ressurrection. Tocaram apenas covers de Beatles, Black Sabbath e outros. Só que como era num salão comunitário do interior, em um evento extremamente familiar, depois da quarta música tiveram de se retirar. Nessa época, viviam em uma localidade chamada Cherryville, na região das Montanhans Monashee. No Canadá, isso quer dizer que era bem longe de tudo. Depois de muitos problemas com a vizinhança e a polícia, claro, além da pouca grana e do inverno rigoroso do local, resolveram retornar a Vancouver. Junto de Kent Montgomery e Brian Goble fundaram um grupo chamado Stone Crazy, com o qual fizeram algumas apresentações em universidades.
Por volta do final de 1976 e início de 77, os caras começaram a ouvir Ramones, Igyy Pop e outros grupos ligados ao punk. Decidiram então entrar nessa praia. No entanto, Gerry ainda não havia se sintonizado com o som punk. O Stone Crazy acabou e Joey fundou o The Skulls, sem Gerry. Em seu lugar entrou o vocalista Lee Kendall (Ken Dimwit). Essa foi uma das primeiras bandas punks canadenses ao lado do The Furies, The Ugly, The Diodes e do Dishrags.
Depois de algum tempo, ainda em 77, o Skulls se mudou para Toronto. Gerry Hannah também estava por lá e já se entrosara com o punk rock. Então ele mostrou duas músicas para Joey, Brian e Simon. As músicas eram Slave to My Dick e Fuck You, que mais tarde fariam parte do repertório do Subhumans. Eles gostaram tanto que resolveram formar uma outra banda (sem acabar com o Skulls), que chamaram Wimpy and The Bloated Cows, com Gerry no baixo, Joey (Flab Jiggle) na bateria, Brian Wimpy no vocal e Simon na guitarra. A brincadeira durou pouco tempo e alguns meses depois não só o Wimpy como o Skulls acabaram.


Nasce o Subhumans
Depois da "experiência" de Toronto, essa turma toda voltou para Vancouver. Brad Kunt, Brian "Wimpy" Goble e Ken "Dimwit" Montgomery (todos com passagem pelo The Skulls) formaram então o Subhumans. A primeira apresentação da nova banda foi no dia 1 de julho de 78, em um evento anarquista.
Gerry Hannah (que a essa altura adotara o apelido de Gerry Useless) juntou-se ao The Stiffs. Logo Brad deixou o Subhumans e Wimpy assumiu o vocal. Para completar a a formação convidaram Gerry para o baixo e Mike "Normal" Grahan (também do Stiffs) para a guitarra.
Em pouco tempo o Subhumans tornou-se uma das bandas preferidas dos punks canadenses, com shows sempre lotados e bastante agitação. As letras de conteúdo político e inteligentes, sustentadas por um som rápido, pesado e ao mesmo tempo com um ritmo excelente para pogar, conquistaram a molecada que em 78 já fazia de Vancouver uma das cenas mais quentes do hemisfério norte.
Com a primeira formação, ainda em 78, o Subhumans lançou apenas um single. Obviamente um clássico com as faixas Death To The Sickoids e Oh Canaduh. Pouco depois, Ken deixou o grupo e as baquetas ficaram com Koichi "Jim" Imagawa. Com ele, seguiram-se o lançamento do EP Subhumans, de 79, que contém as faixas Fuck You, Slave To My Dick, Inquisition Day e Death Was Too Kind; um single com as faixas Firing Squad e No Productivity
e o primeiro LP, Incorrect Thoughts. Além disso, a banda fez várias turnês, que invariavelmente incluíam a Costa Oeste dos EUA, o que deu boa visibilidade à banda por tocar ao lado de bandas consideradas grandes, como Black Flag, Dead Kennedys, X e outras.

Ação Direta
E, quanto mais experiência ganhavam, mais politizados ficavam. E isso não se resumia a fazer punk rock. Todos os integrantes da banda tinham alguma ligação com grupos políticos, especialmente anarquistas e ambientalistas. Apesar de a maioria das letras serem de Brian, Gerry Hannah sempre foi o mais radical e isso ficou claro quando abandonou a banda no início de 1981. Motivo: engajou-se em um grupo político e ambientalista chamado Direct Action, que, como revela o nome, pregava ações diretas contra o sistema. Isso incluía sabotagens a indústrias poluidoras e fabricantes de armas, por exemplo.

Na real, era uma guerrilha urbana que tinha como alvo principal o capitalismo e a indústria armentista. O grupo ficou conhecido na imprensa comercial como The Squamish Five e na alternativa como The Vancouver Five. Os outros membros do grupo eram Ann Hansen, Brent Taylor, Juliet Belmas e Doug Stewart.
Determinados a provocar danos irreversíveis à cultura capitalista, acreditavam que apenas causando prejuízos físicos e materiais ao inimigo poderiam destrui-lo. Ou seja, o grupo transitava na tênue linha entre a militância e do terrorismo. Assim, realizaram alguns atentados a bomba (sem causar vítimas). A primeira explosão foi contra uma usina hidrelétrica em Vancouver, na época ainda em construção, que os ambientalistas acusavam de provocar danos ao meio ambiente. Os prejuízos com essa explosão teriam passado de cinco milhões de dólares.
Mas o grande atentado mesmo foi conta a Litton, uma fábrica de componentes para fabricação de mísseis a serviço dos EUA. Outra explosão famosa foi contra uma locadora de vídeo especializada em filmes pornôs, acusada pelo grupo de exploração sexual.
Estes atos e o pico das atividades do grupo foram realizados no ano de 1982. No entanto, em janeiro de 83, os cinco foram capturados pela polícia nas proximidades de uma pequena cidade chamada Squamish, daí o nome dado pela grande mídia. Gerry Hannah foi condenado a dez anos de prisão, dos quais cumpriu cinco. Atualmente todos os integrantes do grupo estão livres.

O último suspiro
Mas o Subhumans não acabara quando Gerry saiu, apesar de Jim também ter deixado a banda (por motivos pessoais). Em seus lugares, entraram
o baixista Ron Allan e o baterista Randy Bowman. A nova formação chegou a gravar um LP, chamado No Wishes, No Prayers, também muito bom.
No entanto, antes mesmo que o grupo chegasse a fazer shows com as músicas deste disco, veio o golpe fatal. Brian Goble, que era realmente o showman, o líder da banda (embora nem ele nem os demais integrantes assumissem o fato) aceitou o convite para ser baixista do D.O.A. que àquela altura se tornara uma das bandas mais conhecidas do universo punk. Assim, no outono de 1982, o Subhumans deixava de existir.
Em 1995, na onda da reunião e retorno de 9 entre 10 bandas que acabaram, o Subhumans fez alguns shows com Gerry e Brian. Dez anos depois dessa breve reaparição, o grupo foi definitivamente reformado, com Gerry no baixo, Brian no vocal, Mike Graham na guitarra e e Jon Card (ex-DOA) na batera. Ao contrário de muitos retornos, eles gravaram novo material e não estão presos unicamente ao passado punk, por mais glorioso que tenha sido. O CD New Dark Age Parade comprova isso, com um som longe das raízes punk da banda, mas assim mesmo vigoroso e, principalmente, engajado, com letras profundas sobre a merda política atual.

Baixe aqui Death Was Too Kind,
(coletânea com todos os EPs da primeira fase, à qual acrescentei as duas faixas do LP Vancouver Independence)





Subhumans Facts
  • O EP Subhumans, de 79, foi produzido por um tal e Bob Rock, o mesmo cara que depois trabalhou com Metallica, The Cult, Aerosmith, Mtley Crue, Offspring, etc.
  • Em 1983, o D.O.A. lançou um ep beneficente com o título Right To Be Wild para arrecadar fundos para a campanha "Free The Five", que ajudou a pagar as custas judiciais do processo contra Gerry Hannah e seus companheiros. Uma das faixas do ep era Fuck You, verdadeiro hino do Subhumans.
  • Enquanto esteve preso, Gerry gravou dois álbuns de folk music (Sounds Of The Underground e Whereabouts Unknown).
  • Brian Goble também é chegado a um violão e já gravou canções folk, inclusive costuma fazer apresentaçõs solos, em que toca folk. O lance é que as letras são sempre de muita crítica sócio-política.
  • O baterista Ken Montgomery é irmão mais velho de outro batera: Chuck Biscuits, que além de ter participado da primeira formação do DOA, tocou em grupos como Social Distortion, Circle Jerks, Black Flag e Danzig.
  • Após o "fim" (afinal, estão em atividade) do Subhumans, Mike Normal formou um grupo chamado Shangai Dogs, que lançou um Ep (Clanging Bell, 1983) e um LP (This Evolution, 1985). Ambos são raríssimos e o som é o que hoje se chamaria "progressive punk" (que será isso?). Na verdade, um som mais elaborado sem perder a alma contestadora e o peso.
  • As ações do Vancouver Five e a vida de Gerry Hannah são tema do documentário Useless do cineasta Glen Sanford. Ann Hansen, que fazia parte do grupo, escreveu o livro Direct Action: memoirs of an urban guerrilla (Between The Lines Publishers )
  • Em 1994, Ken "Dimwit" Montgomery morreu de overdose de heroína. Mais uma vítima da mais perigosa das drogas. Descanse em paz!

O Subhumans em 2006: Brian Goble, Gerry Hannah, Mike Graham e Jon Card