11/01/2009

Pequenos Gigantes I - POSH BOY

A importância dos selos independentes para o punk rock é tão grande que eu não temo dizer que o punk sobreviveu graças a essas pequenas companhias. Por outro lado, os selos independentes ganharam um grande impulso a partir da explosão do fenômeno punk na metade da década de 70. Antes, os lançamentos independentes eram esporádicos e as majors dominavam completamente o mercado fonográfico. Com isso, determinavam o que o público devia ouvir. Imagino a quantidade de boas bandas que jamais conseguiram entrar em estúdio (que eram caríssimos, diga-se de passagem) na época, ou que até gravaram mas não chegaram ao mercado por falta de alguém para prensar e distribuir o trabalho (o Death e o Pure Hell, postados anteriormente, são exemplos).
O fato é que no final dos 70 e início dos 80 surgiram centenas, talvez milhares, desses selos pelo mundo todo e deram suporte para a proliferação do punk. Alguns mais, outros menos, mas todos com importância equivalente. Penso ser impossível registrar a história do punk sem falar de alguns desses selos, o que o FZ começa a fazer a partir de hoje.
Para inaugurar esse tipo de post vou falar do selo californiano POSH BOY, fundado em 1978 por um sujeito chamado Robbie Fields. Na verdade, no início não se tratava de um selo. Fields empresariava o F-Word e a Dangerhouse Records prometera lançar um compacto do grupo, mas faliu antes de cumprir o trato. Então, Fields resolveu lançar o disco por conta própria. Assim, o primeiro lançamento do selo foi o compacto Shut Down do F-Word com a música-título no lado A e mais Out There e Government Official no B, todas ao vivo. Na sequência, saiu o compacto do SIMPLETONES, com as músicas Kirsty Q e Dead Meat, o primeiro de estúdio produzido por Fields.
No início de 79, a Posh Boy lançou a coletânea Beach Blvd, com Rik L Rik (ex-F-Word, acompanhado no disco pelo Negative Trend), The Crowd e Simpletones, um verdadeiro marco do punk norte-americano e mundial. O inesperado sucesso do disco, que inclusive chegou por aqui via Punk Rock Discos, colocou o selo definitivamente no mercado e Fields tentou repetir o feito com outra coletânea, chamada The Siren, com 391, Red Cross e Spittin' Teeth. O disco, porém, não foi tão bem nas lojas. Particularmente, considero este LP mais um clássico. Comprei o vinil na Punk Rock e devo tê-lo ouvido algumas milhares de vezes e não consigo enjoar do maldito!
Depois desses lançamentos iniciais, a Posh Boy colocou uma enxurrada de discos nas lojas e foi responsável pela primeira oportunidade de bandas como Adolescents, Agent Orange, TSOL, Shattered Faith, The Nuns, Black Flag, Channel 3, UXA, entre outras. Outras coletâneas da Posh Boy que ficaram famosas foram os três volumes da Rodney On The ROQ, especialmente o primeiro, que tinha, entre outras, faixas clássicas do Agent Orange (Bloodstains), Adolescents (Amoeba) e Black Flag (No Values) . Rodney é Rodney Bingenheimer, radialista que até apresenta um programa na rádio KROQ, de Pasadena, no ar desde 1976!
No entanto, apesar da evidente importância da Posh Boy, a relação de Fields com as bandas não era tão amigável e tretas devido a pagamentos (ou suposta falta de) de royalties eram constantes. Grupos como Shattered Faith, Social Distortion e TSOL chegaram a processar Robbie Fields.
A fase de ouro do selo durou até 1982, período em que lançou perto de 200 discos entre LPs, compactos e coletâneas. Mas Robbie era apaixonado por música e, aparentemente, um péssimo administrador. Endividada, a Posh Boy ficou quatro anos sem lançar nada. Em 88, voltou à ativa com seis LPs, mas não vingou. A última tentativa de Robbie em ressuscitar o selo foi em 94/95, mas, sem sucesso, desisitiu. Atualmente, mora na África do Sul e a Posh Boy, que ainda detém as matrizes de centenas de discos, vive do licenciamento dos mesmos. Vale a pena visitar o site (http://www.poshboy.com)

Recentemente, Robbie Fields relançou vários discos em formato digital pela Amazon.com. Acesse aqui página da Posh Boy

Robbie Fields (esq) e Rodney Bingenheimer, na capa do fanzine Flip Side especial
que acompanhou a primeira edição da coletânea Rodney On The Roq

7 comentários:

  1. The Hairy Hands1/13/2009

    Grande post! Estava sentindo falta de um sonzinho mais pop depois de tanta tosqueira. Red Cross dispensa apresentações. Gosto muito do The Crowd. Spittin Teeth e 391 muito bons também (esses eu não conhecia).

    ResponderExcluir
  2. Aê Hairy, blz? O universo punk é bem mais amplo do que parece né? Mais pra frente pretendo fazer posts específicos de algumas dessas bandas.
    O Spittin' Teeth é um grupo de Salt Lake City, que durou pouquíssimo tempo. O 391 é de San Francisco. As duas bandas só lançaram um compacto cada além dos sons da Siren.
    Saudações anárquicas

    ResponderExcluir
  3. George1/14/2009

    Strongos, muito classe esse texto!agora uma sugestão: um post biográfico sobre a Bomp! Records, outra gravadora importantíssima da época e também ligada ao grande Rodney Bingenheimer :)

    ResponderExcluir
  4. Valeu o comentário George... A intenção é falarde quantos selos e bandas forem possíveis. A Bomp é uma ótima sugestão. Tenho o vinil do Stiv Bators solo lançado por eles...
    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Anônimo1/14/2009

    Acho que dava pra fazer também sobre a lendária Alternative Tentacles, selo do grande Jello Biafra!

    ResponderExcluir
  6. Com certeza, outro selo importantíssimo. Apesar de ser do DK deu oportunidade a muitas outras bandas, além de primar pela qualidade gráfica das capas e das gravações.
    Valeu o comentário e saudações anarquistas pra vc

    ResponderExcluir
  7. Thanks for the great write up.

    We have now re-issued all the tracks you have ripped on digital services. I hope the quality is better than your rips!

    I'd appreciate it if you now take down the downloads. We have made available The Best of Rodney On The Roq compilation but not the individual albums so you might want to consider those for a blog post.

    Neither Posh Boy nor Dangerhouse went bankrupt. Dangerhouse continued to release records after the F Word! snafu, such as Rhino 39. Dangerhouse was a partnership of 4 guys which simply stopped functioning in a meaningful way. I loved what they achieved with their early singles. In fact, I bought the original master tape for "We Are The One" off eBay.

    To be sure, Posh Boy experienced some rough financial times, starting with the beginning! But 1983 was a terrible year, so was 1992. I did not stop releasing records until 1995 or so.
    I released Pariah in 1983 which I still think a strong release but it did not sell. There was Childrens Day but issued on my subsidiary, "The Vodka Label". Then beginning in 1986, I received new financial backing and released records like TSOL's "Thoughts of Yesterday" and The Joykiller.

    The only group that sued me was Agent Orange and the lawsuit was dismissed. TSOL and I settled our differences in 1986. Shattered Faith and I have been fighting since 1981 and have not stopped!

    Social Distortion never threatened to sue me and they bought their rights back from me in 1992.

    At the age of 60, I can look back and agree with you that I was a poor administrator. But equally I can look back and wonder how it was possible to accomplish so much in such a short time.

    Robbie Fields
    Posh Boy Music

    ResponderExcluir