04/09/2008

Camaradas, pero no mucho

Formado em 76 pelos irmãos Chip e Tony Kinman, o THE DILS foi uma das bandas mais ativas nos primórdios do cenário punk da Costa Oeste dos EUA. No início, era uma banda de rock de garagem, com quatro integrantes, mas depois que Chip e Tony assistiram um show do Damned, os rumos musicais e, principalmente, a atitude da banda mudaram. Cortaram os cabelos e passaram escrever letras politizadas, como I hate the rich, o que desagradou os outros dois integrantes: eram ricos! Então os irmãos Kinman recrutaram Andre Algover, roadie da banda, para a bateria. Chip (guitarra) e Tony (baixo) passaram a dividir os vocais. Com essa formação gravaram o primeiro single, em 77, com as músicas I Hate The Rich e You're Not Blank. Pouco depois do lançamento, Andre deixou o DILS para voltar a estudar. Em seu lugar entrou Randy McNally, que produziu o segundo single, no mesmo ano. O compacto recebeu o nome 198 seconds of the Dils, com a clássica Class War e Mr. Big no lado b. Mas Randy mexeu na equalização da gravação sem falar com os Kinman, que só perceberam as alterações quando o disco foi lançado. Demissão sumária, claro.
Ainda em 77, John Silvers, que adotou o apelido de John Dil, tal foi sua identificação com a banda, assumiu as baquetas. Curiosamente, essa formação foi a mais duradoura (um ano e meio) e a que mais shows fez, mas não chegou a entrar em estúdio. O terceiro disco sairia apenas em meados de 79 já com o batera Zippy Pinhead, que ficou com a banda apenas por três meses. Este último lançamento é um compacto duplo, não quatro faixas, mas dois vinis de 7", sendo um deles com apenas um lado gravado! A essa altura o DILS já buscava novas sonoridades, mais rock do que punk. Depois deste lançamento o grupo acabou. Após o fim da banda surgiram algumas gravações de shows que foram parar em discos, mas sem a qualidade de estúdio. A principal marca do DILS são as letras politizadas, com tendências socialistas. Em alguns shows, Chip usava uma camiseta estampada com a foice e o martelo, o que aproximou militantes comunistas do grupo. Mas eles nunca se filiaram a nenhum partido e a simpatia pelo comunismo acabou tão logo descobriram as atrocidades do regime soviético. O som, nos dois primeiros singles é o mais puro punk rock californiano, rápido e melódico, sem deixar de ser agressivo.


DILS FACTS
  • O DILS aparece (na verdade, há uma cena em que o som de fundo é a banda tocando) no filme Up in Smoke da dupla de maconheiros inveterados Cheech e Chong. A gravação foi feita no clube Whiskey e eles tocam You're not blank.
  • O grande objetivo do grupo era gravar um LP, por isso, recusaram alguns contratos, que propunham primeiro o lançamento de singles. Afinal, isso eles mesmos podiam produzir. Em 78, após abrirem um show de John Cale em San Francisco, o ex-Velvet Underground ficou impressionado com a versão deles pra What goes on e se propôs a produzir o sonhado LP. Infelizmente, isso jamais se concretizou e o mundo tem de se contentar com as poucas gravações que fizeram.
  • Após o final da banda, os irmãos Kinman formaram o Rank and File, banda que alguns críticos rotularam como "cow punk", ou seja, country music com a energia do punk rock. Já nos anos 90, criaram o Cowboy Nation, com a mesma pegada.
  • Com a onda de "reuniões" de bandas antigas, claro que o DILS recebeu vários convites. Mas os irmãos Kinman insistem em tocar apenas como Cowboy Nation. Honestos!
Baixe aqui os três compactos do DILS

2 comentários:

  1. oi Strongos,
    estou disponibilizando material do La Manada em meu blog
    aqui:
    http://lixojovem.blogspot.com/2008/09/la-manada-anarkill-2001-rotthenness.html

    valeu!

    ResponderExcluir
  2. Bom som esse La Manada. Seu blog é bem louco, tem coisas bem diferentes que pouca gente conhece. É isso aí, a música "out of music business" precisa ser divulgada....
    Já estás na lista meu camarada....
    Saudações Anárquicas

    ResponderExcluir