06/07/2008

DESPERATE BICYCLES - It was easy, it was cheap

O Desperate Bicycles é uma das bandas mais, digamos, "não-convencional", de todos os tempos. Até hoje, os caras recusam-se a dar entrevistas e rejeitam propostas para reedição de seus discos. É uma atitude essencialmente anti-comercial, como tudo que se relaciona a essa banda. O primeiro compacto deles foi lançado no inicio de 77, em plena explosão do punk inglês. Nada de mais, afinal isso aconteceu com centenas, talvez milhares, de bandas nos EUA, na Inglaterra, na França, na Suécia e na Holanda (países em que o punk nasceu simultaneamente, mas isso é outra discussão....). Eles também não foram pioneiros em lançar um disco independente, já que antes deles, o Buzzcocks já havia lançado "Spiral Scratch" e havia outras bandas independentes rolando. A diferença é a maneira como eles fizeram isso. O disco, um compacto de 7', é uma gema do espírito "do it yourself". A gravação é em mono e contém as mesmas músicas dos dois lados - Smokescreen e Handlebars, gravadas em três horas de estúdio. Na capa, nenhuma informação, além de uma roda de bicicleta e o nome das músicas. Mas a mensagem "it was easy, it was cheap, go and do it", reforçada no segundo compacto (The Medium was tedium/Don't back the front) que tem até o valor gasto para fazer o disco estampado na contracapa (153 libras) incentivou muita gente a montar uma banda e gravar seus discos.
A diferença está aí: Sex Pistols, Ramones, Clash, Damned e outras bandas pioneiras revolucionaram o som e a maneira de produzir um disco de rock, mas no fundo, faziam parte da indústria cultural, pois eram do "cast" de grandes gravadoras. Se pensar muito, chega-se a conclusão que deram miuta grana para o mesmo sistema que pensavam estar combatento (os Ramones, nem tanto, pois não combatiam porra nenhuma). Ou seja, mudaram a cara do negócio, mas não o negócio. Já o Desperate Bicycles, mesmo sem a intenção deliberada, mostrou que é possível fazer um som e gravar discos sem ter de se tornar um rockstar, sem precisar assinar um contrato. A banda apenas provou que qualquer um podia gravar um disco (na Inglaterra, pelo menos) pois era fácil e barato. Só. É para matar de vergonha popstars tipo Kurt Cobain, "cansados do sucesso".
O som deles também não é convencional. Não espere ouvir um senhor rock'n'roll, com guitarras distorcidas. Não é uma música fácil, apesar de simples. Além disso, por serem produções baratas, a qualidade das gravações torna o som ainda mais duro de digerir. Mas só ouvindo para julgar. Eu particularmente acho algumas músicas geniais, outras nem tanto. O LP "Remorse Code" é muito bom, com momentos brilhantes. Mas, repito, não é punk rock convencional. Como também não foram relançados em CD, estas são gravações ripadas de vinyl. As originais estão no site http://www.derekerdman.com/ilovemilkshakes/october2004/Desperate_Bicycles_Anthology/desperatebicycles.htm

Aqui eu coloquei tudo num arquivo só e dei uma filtrada, melhorando bem a qualidade. Só falta um compacto de 1979, chamado "The Evening Outs", com as músicas Channel e Stammer. Se alguém descolar, me dá um toque!

DESPERATE BICYCLES:
Danny Wigley (voz)
Roger Stephens (baixo)
Dave Papworth, mais tarde substituído por Geoff (bateria)
Nicky Stephens (órgão)
Dan (guitarra)

Para saber mais leia uma rara entrevista da banda publicada no fanzine Common Knowledge #1 em 1979:

Para baixar os compactos, clique:
http://www.mediafire.com/?4jzwxgzhztm

Músicas:
01 – Smokescreen (1977)
02 – Handlebars (1977)
03 – The Medium Was Tedium (1977)
04 – Don't Back The Front (1977)
05 – (I Make The) Product (1978)
06 – Paradise Lost (1978)
07 – Advice On Arrest (1978)
08 – Holidays (1978)
09 – The Housewife Song (1978)
10 – Cars (1978)
11 – Occupied Territory (1978)
12 – Skill (1978)
13 – Grief Is Very Private (1980)
14 – Obstructive (1980)
15 – Condundrum (1980)
16 – Teacher's Prayer (Peel Session)
17 – Smokescreen (Peel Session)

Baixe o LP "Remorse Code" (1979). Basta clicar:

01 - I Am Nine
02 - Walking The Talking Channel
03 - A Can Of Lemonade
04 - Pretty Little Analyse
05 - Acting
06 - It's Somebody's Birthday Today
07 - Sarcasm
08 - Trendy Feelings
09 - Natural History
10 - Blasting Radio

4 comentários:

  1. parabéns pelo blog, muita informação boa, peguei o disco do speedtwins, muito foda mesmo!

    ah, já que você era um integrante do anarcoolatras, podia elaborar mais posts contando pra gente sobre o punk brasileiro da época, as bandas boas que surgiram e não se tem muita informação disponível e tal...

    abraço,

    ResponderExcluir
  2. Valeu Marcus! Boa sugestão! Se vc gostou do Speed Twins, baixa o F-Word também. É sonzeira!
    Saudações,

    Strongos

    ResponderExcluir
  3. Anônimo9/09/2008

    Amigo,

    nas origens do punk brasileiro não tinha nenhuma banda mais melódica, na linha das bandas de 1977?

    ResponderExcluir
  4. Então, o punk nacional já nasceu com "instinto" hardcore. Mas o AI-5, que não deixou nada gravado, fazia um som mais melódico sim. Havia também o Mack, que era uma banda que cantava em Inglês, liderada pelo Alemão Nazista, que tinha uma linha melódica muito boa. Mas como eram também uma gang e cantavam em inglês não agradaram os punks. É possível que algum ex-integrante dessas bandas tenha gravações. O duro é encontrá-los, mas está lançado o desafio....
    Saudações anárquicas!

    ResponderExcluir