27/08/2009

(Eles eram) a bomba de neutrons


Primeiramente devo pedir desculpas pelo longo tempo sem postagem. Mas estou de volta e vou tentar ser mais frequente. Retorno com uma banda californiana: THE CONTROLLERS, uma das pioneiras da cena da Costa Oeste dos EUA. Formado em 77 e extinto em 79, o grupo nunca chegou a gravar um LP, nem fizeram grandes tournês, tocando poucas vezes fora dos limites de Los Angeles e San Francisco, o que contribuiu para que acabassem esquecidos e ficassem de fora de muitos livros e coletânas sobre a história do punk. Mas eles foram muito importantes para preparar o caminho para o estilo que viria a ser conhecido mundialmente como hardcore. Não foram os primeiros (é difícil dizer quem fez isso), nem talvez possam ser classificados assim, mas a fúria de suas músicas e a atitude punk ao extremo certamente influenciaram muitos dos pioneiros do HC.
Apesar de uma carreira tão curta, o Controllers teve tempo de passar por duas fases. A primeira começou no 4 de julho de 1977, quando John Stingray, sua então namorada Charlie Thrash e o irmão dela, Kidd Spike, resolveram montar uma banda. O nome foi inspirado após uma exibição de bombeiros nas comemorações do dia da independência dos EUA, em Santa Monica. Bêbados, eles pixaram um muro com a palavra "Controlers" (com erro de grafia mesmo). John era vocalista e guitarrista, Charlie a baterista e Kidd Spike, também guitarrista. O primeiro baixista foi DOA Dan.
Na procura de locais para ensaiar acabaram conhecendo um tal de Brendan Mullen, que pouco depois fundaria o The Masque, point que abriu suas portas para muitas bandas, como Dils, Avengers, Weirdos, Dickies , Zeros, Germs, Screamers, só para citar algumas. Um verdadeiro templo punk. O Controllers teve a honra de ser a primeira banda a tocar lá.
Ainda em 77, gravaram um compacto, o clássico Neutron Bomb (com Killer Queers no lado b), que só seria lançado em 78. Esse verdadeiro artefato é uma gema gravada em quatro canais no estúdio Sunbird que pertencia a Chris Ashford, nada menos que o fundador da What? Records (mais um "pequeno gigante", que merece um post à parte). Mais tarde esse single passou a ser chamado de (the original) Neutron Bomb, já que o Weirdos lançou uma música com o mesmo título.
Mas o grupo tinha problemas. Charlie era extremamente egocêntrica. Achava que ela era a "estrela" da banda. O ápice aconteceu em um show em que queria por que queria que a bateria ficasse à frente no palco e não no fundo, como é de praxe. John e Kidd não concordaram e ela acabou saindo. Para surpresa dos outros dois, DOA Dan resolveu acompanhá-la (os dois se casaram depois).
Mas junto com as malas que saem, há males que vêm para o bem. Graças à saída de Charlie e Dan, eles conheceram Karla Maddog, o demônio negro da bateria. Na primeira audição os caras ficaram boquiabertos e a escalaram rapidinho. Sem baixista, John reslveu deixar a guitarra para Kidd, que mostrara ser capaz de fazer tudo sozinho. Reduzido a um trio, o Controllers passou a viver um grande momento, principalmente devido à capacidade de Karla, que para completar ainda conhecia muita gente e ajudou o grupo a fazer vários shows.
O renovado Controllers lançou mais um EP clássico, em 1979, com três faixas: Slow Boy, Suburban Suicide e Do the Uganda. Teve gente que viu racismo na letra dessa última (só por causa dos versos I wanna be black and look like Idi Amin, algo mais ou menos como "Eu quero ser negro e parecido com o Idi Amin"). Mas como podiam ser racistas com uma baterista negra? Coisa de policiadores de plantão....
Ainda no mesmo ano participaram da histórica coletânea Tooth and Nail (faixas Another Day, Electric Church e Jezebel) , junto com o UXA, Germs, Negative Trend e Flesh Eaters. As coisas iam bem, mas sem muita explicação, o grupo acabou. Talvez, o espírito auto-destrutivo da maioria das bandas dquela época tenha contribuído. Ninguém estava muito peocupado em ter uma carreira musical. A maioria queria apenas fazer um som e chapar o côco. Resultado: mais uma grande banda que se dissolveu no nada e que poderia (e merecia) ter deixado algo mais do que dois compactos e três faixas numa coletânea. Descontrolados!

Baixe aqui uma coletânea com tudo o que eles gravaram.

CONTROLLERS FACTS
  • Antes mesmo do compacto com Neutron Bomb ser lançado, a música foi incluída em um outro compacto junto com faixas dos grupos The Skulls e The Eyes. O disco saiu com o título What? Sampler EP. Uma raridade realmente rara!
  • A capa do segundo compacto foi feita por Al Hansen, um artista hoje bem famoso, mas que na época era pouco conhecido, apesar de já ter trabalhado com Yoko Ono, Andy Warhol e outros. Este disco saiu pela Siamese Records, selo de propriedade de um tal Philipe Mogane, que lançou o histórico compacto I Got a Rigth/Gimme Some Skin do Stooges, simplesmente o single mais punk da era que essa palavra ainda não existia enquanto estilo musical e etc.
  • Após o fim do Controllers, Spike foi tocar com o The Gears; John formou o Kaos e Maddog chegou a integrar os grupos The 45's (com membros do D.O.A. e do Avengers) e um outro grupo chamado Sexsick, antes de tentar a vida do outro lado do Atlântico. Ela foi para a Inglaterra com a firme intenção de tornar-se baterista do Siouxsie and The Banshees! Não conseguiu a vaga, claro, mas teve momentos intensos por lá: trabalhou como bartender, morou em um squat, montou uma banda (Precious Few), conheceu e tornou-se amiga de Malcom McLaren, roubou carros, foi presa e repatriada para os EUA.
  • Nos anos 90, Maddog e Spike voltaram a tocar juntos no Skull Control. A banda chegou a gravar um CD (Radio Danger), hoje bem raro, inclusive com participação do ex-guitarrista do Germs Pat Smears. O grupo acabou em 97, por não conseguir um contrato.
  • Na coletânea aqui postada, a faixa Top Secret é do Kaos e Your World e Hot Stumps do Skull Control.

A primeira formação do Controllers