22/07/2009

Punk-Reggae Party II - Basement 5


Bandas punks adotarem o reggae como uma de suas influências eram até comuns nos primórdios do punk. No entanto, o contrário, ou seja, músicos de reggae "cruzarem" o ritmo com o punk, não. Aliás era até bem raro. Uma das exceções foi o BASEMENT 5. Surgido em 1978, a banda teve uma carreira bem curta - acabou em 1981 - e lançou apenas um LP, chamado 1965-1980, e alguns compactos (também gravaram quatro músicas em uma Peel Session, lançadas posteriormente). O flerte com o punk aparece em algumas faixas pesadas e, principalmente, nas letras que expressavam exatamente as mesmas angústias dos moleques de jaqueta preta e cabelos arrepiados. Também o envolvimento de membros com a cena punk londrina contribuiu para a ligação. No entanto, seja pela época em que começaram ou pela co-produção de Martin Hannet (Joy Division e Magazine) no LP, há uma certa atmosfera pos-punk no som deles, talvez mais explícita que o "punk puro" (se é que isso possa existir). Mas o que impressiona no Basement 5 é que não se tratava simplesmente de uma "colagem" de algumas partes reggae e outras punk, é realmente uma mistura. Um híbrido dos dois ritmos.
Na verdade, os Basements foram uma criação de Don Letts, figura carimbadíssima no circuito punk. Para quem não sabe ele é considerado maior responsável pela introdução do reggae no punk, quando era DJ do Roxy. No início do lendário clube, como não haviam ainda muitos discos punks lançados, para entreter a moçada entre uma banda e outra ele rodava bolachas de reggae (sempre "do bom", óbvio). Além disso ele produziu o seminal Punk Rock Movie, um dos primeiros filmes sobre o punk rock, que se você ainda não viu, não deveria sequer estar vivo!
Bom, Letts usou uma verba que recebera da Island Records para produzir o disco que quisesse. Como jamais tocara nada, colocou na fita alguns amigos. A primeira formação do BASEMENT 5 tinha Winston Fergus no vocal, Leo Williams (barman do Roxy) no baixo, JR na guitarra e Tony "T" na bateria. Pouco menos de um ano após começarem a tocar, Fergus, pulou fora. Letts quebrou o galho no vocal por um tempo até surgir Dennis Morris, que assumiu o microfone definitivamente. Outra mudança foi na bateria, com a entrada de Richard Dudanski. Leo e JR permaneceram e com esse lineup o grupo gravou 1965-1980 (apesar do título não se trata de uma coletânea, já que a banda não existia há tanto tempo). Após o lançamento o Basement durou apenas mas um ano, fez diversas apresentações (maioria como banda de abertura) e estranhamente desapareceu do mapa. Lendários.



Baixe aqui o LP 1965-1980 e aqui um catadão, com a Peel Session, o primeiro single e duas faixas ao vivo

Basement 5 FACTS
  • Winston Fergus, o primeiro vocalista do Basement já gravou com verdadeiros deuses do ritmo jamaicano, como Augustos Pablo.
  • Dennis Morris era (e possivelmente, é) fotógrafo. Ele acompanhou os Pistols por um bom tempo e trabalhou com Bob Marley também.
  • Don Letts e Leo Williams (amigos de longa data) ajudaram a formar o Big Audio Dynamite (B.A.D.) junto com o ex-Clash Mick Jones.
  • Richard Dudansky foi baterista do 101'ers, a banda que deu origem ao Clash e também do PIL.

8 comentários:

  1. Mauricio7/23/2009

    Tá aí um troço que eu nem imaginava que existia.

    Baixei e ouvi agora pouco, achei muito legal o som do Basement 5. É realmente um som bem diferente. Dúvido que existam outras bandas que nem eles por aí...

    ResponderExcluir
  2. Maurício, muita coisa boa produzida entre 76 e 82/83 passou batido. Espero surpreender com outras ainda...

    Valeu o comentário meu camarada!

    ResponderExcluir
  3. Maurício7/24/2009

    Esse período na minha opinião foi o mais produtivo e também o melhor do punk rock.

    Só que com tantas bandas, algumas acabaram ficando obscurecidas devido ao suscesso de outras que se deram melhor.

    Aliás cara, tava vendo o arquivo do blog e achei um monte de coisa bacana. Aquele Maniacs lá que tu postou faz tempo, nunca imaginei tal banda ter existido. E pior que o som deles era tri bacana! Não entendo porque acabaram sem ter lançado pelo menos um LP. Também achei outra banda bem interessante que me agradou muito, o The Kids, que tem um pé no rock 'n' roll.

    Cara vou te dar uma sujestão se tu me permite, acho que tu deveria postar mais coisa sobre punk brasileiro. Histórias (acredito que tu tenha muitas pra contar, já que viu de perto o movimento crescer), discos, demos, enfim.

    Falou aí e abração!

    ResponderExcluir
  4. Maurício, vou ver se faço mais posts em geral, não apenas sobre o punk nacional. Reconheço que estou sendo pouco produtivo, mas penso que logo terei mais tempo para dedicar ao blog...
    Valeu o incentivo...

    ResponderExcluir
  5. Hey Strongos,

    Thanks for adding me to your blog roll. I've added you to my links too. Cool blog, keep up the good work.

    Dave

    ResponderExcluir
  6. great blog! please check out or maybe put it on your links http://noiseboxmusiccollection.blogspot.com/

    thanks and keep up the good work!

    ResponderExcluir
  7. estou bem preguiçoso para atualizar meu blog, mas o seu que, a meu ver, tem grande importância para a História do punk (tanto nacional como estrangeiro) não deveria ficar sem atualizações! por favor, volte!!!!!!!!!!!!!!!!

    abraços!

    ResponderExcluir
  8. Ôpa! Não vo parar não, mas elém de estar faltando um pouco de indpiração, também o tempo andou escasso! Mas esta semana mesma vou postar novamente e tentar manter um ritmo melhor....
    Obrigado pelo incentivo!

    ResponderExcluir