22/12/2008

HIJOS DE LA REPRESIÓN

Nos anos 70, a América do Sul sofria sob o peso das botas e fuzis militares. Entre as ditaduras do continente é difícil dizer qual foi a mais sangrenta e repressora, mas certamente a Argentina é forte candidata a este triste "título". Assim, por lá também foi natural o surgimento de punks, mesmo sob uma violenta repressão, que tinha olhos e ouvidos em todos os cantos do país. Obviamente que qualquer fenômeno cultural que tivesse o mínimo traço contestador era abafado. Mas, como aconteceu no Brasil, no final daquela década, os militares viram que seria difícil manter um regime tão fechado. Não que tenham resolvido ficar bonzinhos de uma hora para outra, mas os problemas econômicos tornavam-se cada vez mais evidentes e era necessário passar o bastão... e o abacaxi. Nesse contexto de uma pequena e forçada "abertura política", surgia silenciosamente - ainda que fazendo muito barulho - e quase simultaneamente nas periferias de São Paulo, Buenos Aires e Lima (no Chile, seria mais tarde um pouco), os primeiros punks da América do Sul. Isso aconteceu por volta de 78/79.
Na Argentina, a primeira banda, formada em 78, foi Los Testiculos, que em 1980 trocou o nome para LOS VIOLADORES. Da mesma época também são Los Barajas e Los Laxantes. A primeira formação dos Violadores teve o guitarrista Hari B, o baterista Sergio Gramática, o baixista Stuka e o vocalista Pil Trafa. O quarteto conseguiu firmar-se e ganhar algum nome em 81, com várias apresentações. Em 82, finalmente foram para o estúdio e gravaram um LP. Entretanto, o disco só foi lançado em 83, após as eleições que representaram o fim oficial da ditadura argentina, que, na verdade, começara a ruir com o fiasco militar da Guerra das Malvinas.
Ao contrário dos punks brasileiros, que faziam um som mais hardcore, tosco e agressivo, o Los Violadores tinha uma linha musical mais próxima do punk 77, de Clash, Buzzcocks e Sex Pistols. A produção da bolacha também foi mais cuidadosa do que as que saíam no Brasil na época. As letras, opinião minha, também eram mais elaboradas e diretamente associadas à realidade do país. É um disco histórico e raro, bastante procurado por colecionadores do mundo todo.
Após o lançamento do LP, denominado simlpesmente Los Violadores, e do fim da ditadura, Hari B, o principal idealizador do grupo e que tinha o Violadores mais como um instrumento de combate ao regime do que um grupo musical, não via mais sentido em continuar a luta e deixou a banda. Com sua saída, também mudaram os rumos musicais dos Violadores, que adotaram um estilo mais comercial já no segundo LP, com o título Y Ahora Que Pasa, Eh? de 1985. Depois disso, a banda mudou de formação diversas vezes e durou até 1992, com um total de sete álbuns, mais um ao vivo e outra coletânea. Voltaram em 2000 e estão na ativa, mas ainda com apelo mais comercial. Confira uma interessante entrevista com Pil Trafa no link http://punksunidos.com.ar/punksunidos/violadores/#3.
Muito interessante também é um manifesto publicado pela banda em 1982 (losvioladoresmanifesto.htm)
O primeiro e pioneiro LP dos Violadores pode ser baixado aqui.

VIOLADORES FACTS
  • Em diversas ocasiões se viram obrigados a mudar o nome da banda nos cartazes para Los Voladores, já que o regime não via com bons olhos um grupo com nome tão agressivo. Parece mentira, mas não é.
  • Hari B também esteve na primeira formação do Comando Suicida, talvez, a primeira banda Oi! da América Latina.
  • O final do grupo em 1992 deu-se devido às velhas e comuns "insuperáveis diferenças musicais" entre Pil Trafa e Stukas, únicos membros originais que restavam no grupo. Após o fim, Trafa formou o Pilsen e o baixista criou o Stukas en Vuelo. Em 200, entretanto, reataram a amizade e reformaram o grupo.

6 comentários:

  1. Valeu pelo post! Em se tratando de Punk rock antigo é com certeza a melhor banda da América Latina.

    ResponderExcluir
  2. Maurício12/25/2008

    Eu não sou muito fã de bandas argentinas, normalmente elas executam um som bem meloso e chatinho...Mas achei esse Los Violadores muito foda!

    Se puder poste mais bandas que seguem a mesma linha de som deles.

    Eu tenho um blog também, se quiser dar uma passada ta aí o link: www.braberanotalo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Aê Maurício, valeu o comentário. Realmente as bandas porteñas, e latinas em geral, têm mesmo uma pegada mais melosa. Inclusive, os outros discos dos Violadores caem nessa armadilha (agrada lá, mas no resto do mundo não). Por outro lado, acho que eles têm mesmo é que viver o universo deles).
    Curti seu blog. Vou adicionar na minha lista.
    Saudações anárquicas!

    ResponderExcluir
  4. Z, os Violadores estavam à frente de seu tempo em termos de punk latino. Valeu o comentário e volte sempre!
    Saudações anarquistas!

    ResponderExcluir
  5. George1/10/2009

    Eu conhecia esse LP do Los Violadores há anos, e esses dias achei ele por 10 reais acredita? muita sorte! Strongos, procura a versão de 'Viejos Pateticos' que o Los Crudos fez (eles eram uma banda HC americana dos anos 90 formada só por latinos, os discos deles são a melhor coisa já feita em espanhol) :)

    ResponderExcluir
  6. É, o vinil anda meio desvalorizado, sorte para quem coleciona e dá umas garimpadas....
    Então, já tentei achar o Los Crudos, mas parece que não vai ser fácil não.... Mas não está morto quem peleia!
    Abcos....

    ResponderExcluir